‘Quase criminoso’, diz Rodrigo Maia sobre pressão contra isolamento social

0
Social

No mesmo dia que Bolsonaro foi a pé do Palácio do Planalto até a sede do Supremo Tribunal Federal defender a retomada das atividades econômicas em meio à pandemia do coronavírus no Brasil, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, declarou em entrevista à Globonews que é “quase criminoso” fazer pressão contra o isolamento social.

“O que a gente não pode é o setor produtivo muitas vezes – claro, eu entendo a preocupação – acabar gerando uma pressão que vai gerar um aumento maior do número de mortes no Brasil. Isso não é correto, é quase criminoso”

Rodrigo Maia

Questionado na entrevista sobre que atitude espera de governantes em relação às medidas de isolamento social – se atitudes mais rigorosas ou flexibilização, numa indireta clara ao presidente Bolsonaro, maia respondeu: “Eu prefiro aquele [governante] que tome a decisão de forma racional e que não aceite pressões de nenhum setor. Então, uma decisão de flexibilização que não estiver relacionada à pressão de algum setor da economia, mas da decisão técnica-científica”, declarou.

Presidente do STF, Dias Toffoli e presidente da câmara Rodrigo Maia após reunião em 19-02-2020 | Foto: Lula Marques

Para Maia, presidente Bolsonaro passou uma sinalização equivocada durante visita ao STF

Rodrigo Maia também foi questionado sobre sua impressão quanto à visita que Bolsonaro fez ao Supremo Tribunal Federal acompanhado de empresários. Maia dissoe que para ele, a atitude foi “sinalização equivocada” à sociedade brasileira. Segundo o deputado, se Bolsonaro estivesse acompanhado do ministro da Saúde, Nelson Teich, em vez de empresários, a visita passaria mais tranquilidade. E disse que caso Bolsonaro quisesse visitá-lo na Câmara, seria recebido ou sozinho ou, no máximo, acompanhado de três ou quatro empresários, para evitar aglomeração.

Foto Destaque: Najara Araújo | Câmara dos Deputados

Conteúdo Relacionado
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *