Conecte-se conosco

Economia

“Brasil poderia virar a Venezuela em um ano e meio”, diz Paulo Guedes

Ministro afirmou em entrevista que o país poderia nesse tempo chegar ao cenário da Venezuela

Publicado

em

ministro paulo guedes

Numa análise feito no Canal Primo Rico, o ministro da economia Paulo Guedes disse que para o Brasil se tornar uma Argentina bartariam seis meses e para chegar a uma [situação como a vivida pela] Venezuela seria necessário apenas um ano e meio. Depois, no mesmo programa, Paulo Guedes corrigiu as afirmações, afirmando ter exagerado um pouco, e que, na verdade, o país para chegar ao patamar de crise da Argentina precisaria de três anos e e uns cinco ou seis anos para se igualar às condições vividas pela Venezuela.

Guedes fez o comparativo ao afirmar a necessidade dos poderes Executivo e Legislativo seguirem adiante nas reformas e manutenção da responsabilidade fiscal.

O ministro explicou os pormenores da economia e durante duas horas revelou como chegou ao governo disposto a cortar gastos, mas devido à pandemia, se tornou a pessoa que mais gastou em todos os tempos.

“O destino me tornou a pessoa que gastou muito. Mas gastei de consciência tranquila porque era para saúde dos brasileiros”

Paulo Guedes, em entrevista ao canal primo rico

Segundo os dados informados pelo ministro, foram 800 bilhões de reais gastos com transferência de renda para 64 milhões de brasileiros. Paulo Guedes destacou a antecipação de pensões e benefícios, redução de tarifas de importação para 1.500 produtos relacionados ao combate da pandemia, encomendas a fabricantes de ventiladores pulmonares, empréstimos a pequenas empresas e a ampliação do bolsa família de 600 reais.

O ministro Paulo Guedes revela que enfrenta um novo desafio: a aprovação do novo auxílio emergencial diante da segunda onda da Covid-19. Segundo disse, ele [governo] precisa do apoio do Congresso para ter uma contrapartida que evite que os gastos aumentem de forma desenfreada e citou segurar o reajuste de servidores públicos.

Demissível

Ao citar sua relação com o presidente da República e a sua manutenção do cargo, Guedes afirmou: “Sou demissível em 30 segundos”, mas que a única coisa que “me tira daqui é perda de confiança do presidente”, disse. Paulo Guedes concluiu dizendo: “por enquanto o saldo é possitivo”.

Numa análise feito no Canal Primo Rico, o ministro da economia Paulo Guedes disse que para o Brasil se tornar uma Argentina bartariam seis meses e para chegar a uma [situação como a vivida pela] Venezuela seria necessário apenas um ano e meio. Depois, no mesmo programa, Paulo Guedes corrigiu as afirmações, afirmando ter exagerado um pouco, e que, na verdade, o país para chegar ao patamar de crise da Argentina precisaria de três anos e e uns cinco ou seis anos para se igualar às condições vividas pela Venezuela.

Guedes fez o comparativo ao afirmar a necessidade dos poderes Executivo e Legislativo seguirem adiante nas reformas e manutenção da responsabilidade fiscal.

O ministro explicou os pormenores da economia e durante duas horas revelou como chegou ao governo disposto a cortar gastos, mas devido à pandemia, se tornou a pessoa que mais gastou em todos os tempos.

“O destino me tornou a pessoa que gastou muito. Mas gastei de consciência tranquila porque era para saúde dos brasileiros”

Paulo Guedes, em entrevista ao canal primo rico

Segundo os dados informados pelo ministro, foram 800 bilhões de reais gastos com transferência de renda para 64 milhões de brasileiros. Paulo Guedes destacou a antecipação de pensões e benefícios, redução de tarifas de importação para 1.500 produtos relacionados ao combate da pandemia, encomendas a fabricantes de ventiladores pulmonares, empréstimos a pequenas empresas e a ampliação do bolsa família de 600 reais.

O ministro Paulo Guedes revela que enfrenta um novo desafio: a aprovação do novo auxílio emergencial diante da segunda onda da Covid-19. Segundo disse, ele [governo] precisa do apoio do Congresso para ter uma contrapartida que evite que os gastos aumentem de forma desenfreada e citou segurar o reajuste de servidores públicos.

Demissível

Ao citar sua relação com o presidente da República e a sua manutenção do cargo, Guedes afirmou: “Sou demissível em 30 segundos”, mas que a única coisa que “me tira daqui é perda de confiança do presidente”, disse. Paulo Guedes concluiu dizendo: “por enquanto o saldo é possitivo”.

“Eu tenho recebido apoio do presidente e do Congresso para ir na direção certa. De vez em quando tem uma pedra no caminho, dou uma topada, mas por enquanto o saldo é positivo”.

Ministro paulo guedes

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mato Grosso do Sul

MS bate recorde na produção de açúcar e exporta 348% a mais

Publicado

em

Por

MS aumenta em 2,5 vezes a produção de açúcar e bate recorde histórico | Mato Grosso do Sul
Produção de açúcar cresceu 152,7% em Mato Grosso do Sul — Foto: Anderson Viegas/G1 MS

O Mato Grosso do Sul produziu 1,847 milhão de toneladas de açúcar na safra 2020/2021. O volume, representa um recorde de produção no estado e correspende a 2,5 vezes (152,7% a mais) a quantidade do ciclo anterior (2019/2020) que teve o processamento total de 731,090 mil toneladas.

A quantidade de matéria-prima destinada a fabricação do alimento cresceu 183% na safra. Passou de 11% para 28,5% no ciclo.

Com aumento da produção, Mato Grosso do Sul ampliou a exportação de açúcar. Foram comercializadas com o mercado internacional em 2020 , 1,130 milhão de toneladas, com uma receita de US$ 301 milhões, o que representou um incremento de 348% frente a 2019.

Na avaliação do presidente da Associação dos Produtores de Bioenergia de Mato Grosso do Sul (Biosul), Roberto Hollanda, os dados referentes ao açúcar apesar de positivos, representam na verdade um cenário de recuperação do produto depois de uma safra em que houve queda de produção e da exportação.

“Vamos registrar que a comparação é com a safra passada [2019/2020] que foi o ciclo que as usinas mais destinaram cana para etanol no estado, 88%. Na safra recém encerrada, voltou para o nível normal, com 71,47% da produção sul-mato-grossense sendo destinada a fabricação do biocombustível, que ainda é a prioridade em nosso estado. Os números do açúcar são expressivos, mas já atingimos uma produção próxima no passado”, avaliou.

Mas se a produção de açúcar cresceu, a de etanol retrocedeu nesta temporada. Caiu dos 3,341 bilhões de litros para 2,869 bilhões de litros, 14,12% a menos. Essa redução foi ocasionada pela queda no processamento do etanol hidratado (que é vendido nos postos de combustíveis) em 19,51% (de 2,668 bilhões de litros para 2,148 bilhões de litros), já que a fabricação do etanol anidro (que é adicionado à gasolina) aumentou em 7,24% (de 672,468 milhões de litros para 721,169 milhões de litros).

Apesar da retração, o presidente da Biosul destacou que a produção de etanol hidratado nesta safra foi 8 vezes superior ao do consumo do estado, que no ano foi em torno dos 330 milhões de litros.

Em relação a matéria-prima para a fabricação do etanol e do açúcar, a produção sul-mato-grossense no ciclo foi de 48,830 milhões de toneladas de cana, 2,71% superior aos 47,514 milhões de toneladas da temporada anterior.

O estado encerrou a safra 2020/2021 como o quarto maior produtor de cana do Brasil e o quinto em processamento de etanol e de açúcar.

Para a safra 2021/2022, que já foi iniciada em Mato Grosso do Sul, a Biosul projeta um crescimento de 2,86% no volume de cana, que poderá chegar a 50,200 milhões de toneladas.

A estimativa para o açúcar é de uma retração de 7,44% no volume, que poderá cair para 1,710 milhão de toneladas.

Por outro lado, a perspectiva para o etanol é de um crescimento na produção de 6,29%, chegando a 3,050 bilhões de litros, sendo 2,200 bilhões de hidratado e 850 milhões de anidro.

O mix de produção deve ficar em 74% a 26% para etanol e açúcar, respectivamente.

Com informações do G1

Continue lendo

Economia

Dólar dispara mesmo após intervenção do BC

Moeda chegou a ser votada a R$ 5,73 e real teve o pior desempenho

Publicado

em

dólar dispara nesta terça-feira (2)

O mercado de câmbio reagiu com força nesta terça-feira (2) após a decisão do governo federal de elevar a taxação de bancos, veículos e da indústria química como comepnsação pela isençãoa de impostos incidentes sobre o diesel e GLP. Havia também um termo quanto a PEC emergencial, para o mercado, poderia desidratar.

O Dólar que operava em alta disparou e ançancou R$ 5,7323. No comparativo com outras moedas, o real teve o pior desempenho do dia frente ao dólar, isso mesmo após o Banco Central ter injetado US$ 2,095 bilhões no mercado à vista em duas operação na tentativa de frear a desvalorização do real.

As intervenções do Banco Central amenizaram apenas momentaneamente a situação.

Noticiário político afetou o mercado

Uma Brasília agitada com um noticiário político tento e o conteúdo desconhecido de um pronunciamento em cadeia nacional do presidente Jair Bolsonaro – cancelado sem justificativa pelo memso – provocou a busca por segurança e dólares por parte de investidores. Isso motivou a segunda intervenção do Banco Central.

Continue lendo

Popular